SLIDER

Q&A


Recentemente, postei uma foto no Instagram e legendei questionando se vocês gostariam de me fazer  perguntas que seriam respondidas aqui. E, finalmente, chegou o dia!

Você desenha desde quando?

Desenho desde criança. Lembro muito claramente das inúmeras vezes em que eu desenhei nos documentos importantes do meu pai, acabava com os papeis limpos da casa e, como se não bastasse, riscava todos os livros que surgiam diante do meu olhar hehe.

O que te inspira a desenhar?

Ai, são muitas coisas! Geralmente, livros, músicas, filmes, conversas... coisas que vejo, ouço e sinto me inspiram. Ultimamente, tenho buscado inspiração no lixo alheio. Tenho tentado educar minha visão para enxergar o que as pessoas estão "descartando" para eu "aproveitar" e transformar em algo bonito. Também gosto de fazer pesquisas relacionados ao que pretendo desenhar. Basicamente, minha inspiração é quase um trabalho de garimpeiro. :-P

O que é sucesso para você?

Sucesso é quando me sinto bem ao conquista algo, por efêmero que seja. Por exemplo: me sinto muito bem sucedida quando consigo ler um livro que desejava há tempos.

Quando você vai postar uma ilustração, se preocupa com o feedback que vai receber a ponto de deixar de postar algo?

Nunca deixei de postar nada por conta da reação das pessoas. Painho sempre diz que não devemos nos preocupar com o que as pessoas vão pensar sobre nós, que o mais importante é o que nós enxergamos sobre nós mesmos. Se eu ficar produzindo o que as pessoas gostam de ver, deixarei de aproveitar a melhor parte do meu trabalho e isso deixará de ser algo prazeroso e se tornará mecânico. E também existe muito uma questão de identidade: quando você vive em função dos outros, você deixa de viver a sua história para viver a história de outra pessoa.

É claro que eu noto quais são as postagens que mais agradam as pessoas e sei nas quais elas interagem mais. E por ironia da vida, os desenhos que eu mais amo fazer são os que possuem menor engajamento em ralação aos outros, e são justamente esses com menor interação que eu posto com maior frequência. :P Estou sendo fiel a mim, a quem sou e no que acredito. Se as pessoas vão ou não gostar, aí é outra história.

Uma coisa que me faz pensar se vou ou não postar: fotos de momentos aleatórios e pessoais. Isso sim me faz refletir se aquela imagem vai agregar em alguma coisa, qual mensagem ela vai transmitir e se não é melhor eu apenas guardá-la para mim. Me pergunto: isso é útil? É bem aquela lição da Lauren Cerand: "Poste como se todo mundo que ler tivesse o poder de demiti-lo."

É válido fazer mais do que os seguidores querem ver, do que o que você curte fazer, ou pra quem tem o desenho como profissão isso é essencial pra "manter" os seguidores?

Eu, particularmente, encaro essa questão de só produzir o que as pessoas desejam ver como um pensamento um pouco imaturo, sabe?! Me parece que a pessoa vive em função de curtidas, comentários e etc. Não que o feedback não seja importante, ele é essencial. Mas não tão importante que queira abafar a minha voz, me tornar uma caixinha quadrada igual à todas as outras caixas. 

Entrando no mérito de "manter" seguidores: isso é relativo. Se as pessoas te seguem é porque elas gostam de como você se comunica através do que faz. Se elas quiserem continuar te acompanhando, ótimo. Se não, quem sai perdendo não é você. Acho um pouco triste deixar de seguir alguém porque essa pessoa não corresponde às suas expectativas. Quem te segue, te apoia pelo que você é e faz. Deixar de fazer o que você gosta para manter números não me parece uma atitude profissional e muito menos madura. É como se o número justificasse o seu potencial, não vejo isso como uma coisa boa.

Você passa quanto tempo dedicada em uma ilustração?

Depende muito do grau de complexidade da ilustração e do projeto, se é algo pessoal ou um job, se é um estudo de anatomia ou pintura... Varia de 2hs até 1 mês.

Quando estou estudando pintura digital, por exemplo, passo 1 dia praticando. Mas não é um dia inteirinho apenas pintando, 2hs pela tarde e mais 2h à noite. 

Qual o desenho mais complexo tecnicamente que você já fez? 

A capa do livro A Menina Que Colecionava Borboletas. Desenhei fio por fio do cabelo da Bruna Vieira, frente e verso. Após cinco anos, nem eu acredito que consegui!

Como você encontrou no desenho o seu estilo próprio?

Nenhum dos meus estilos são solidificados porque vivemos uma metamorfose. Quanto mais a gente pratica, mais a gente evolui. Aí muda uma coisa ali, outra aqui... E quando menos esperamos, vamos nos transformando e nos encontrando.

Uma dica: estude muito anatomia, gestures e os fundamentos. Quanto mais você estuda isso, mais você experimenta e arrisca novas maneiras de fazer a mesma coisa. Estude seus artistas favoritos e veja como eles resolvem os problemas no que fazem. Falo mais sobre estudo de artistas neste post aqui.

Como você consegue organizar e conciliar tanta coisa: o trabalho, os estudos das ilustrações, leituras bíblicas e a sua vida?


Tenho uma agenda de papel e um planner (que eu mesma fiz) e neles anoto as coisas importantes que preciso fazer em determinados dias. Todos os dias, tenho objetivos que precisam ser cumpridos - eles são os hábitos. Além deles, incluo prioridades do dia: rascunho do job que estou trabalhando, estudar, responder e-mails e responder comentários nas redes sociais e aqui no blog... Divido tudo em dias, mas todos os dias os hábitos estão presentes. Tento ser gentil comigo e me permito ter dias em que eu não faço "nada", só produzo para mim, estudo e atualizo a minha série (estou vendo When Calls The Heart). Esses dias são os dias de respiro.

Como você se organiza em relação ao seus desenhos?

Hoje, estou ilustrando um livro. Então, preciso esvaziar a minha mente e "consumir" coisas legais para me manter inspirada. Quando trabalho com prazos, me organizo para entregar o material antes do combinado ou na data exata. Então, trabalho nos horários certinhos e nunca viro a madrugada trabalhando. Só fiz isso uma vez na vida e espero não precisar fazer novamente. Por uma questão de saúde - mesmo -, mantenho tudo organizado para não extrapolar o meu limite. Por isso, ter uma agenda, planner ou qualquer tipo de planejador é de grande ajuda. Tudo com planejamento é melhor.

Como começar como ilustradora? Dê dicas pra quem está começando.

Tenho muitas respostas para esta pergunta. Estou preparando um post especial apenas para respondê-la. Enquanto isso, minha dica de ouro é: estude anatomia e fundamentos.

Que tipos de combinados são importantes entre você e alguma empresa/marca que está contratando seu serviço? O que vai no contrato?

Depende muito de quem é o seu cliente e para quem você está prestando serviços. Se você está criando conteúdo para uma editora, é ela que vai te enviar o contrato dentro das normas da empresa. Como a maioria dos meus serviços são editorais, então recebo o contrato de quem está me contratando.

Em suma, a maioria das cláusulas (lembrando: esta é a minha experiência, não falo de um modo geral) envolvem: Objeto (o que você está desenvolvendo); Preço e Condições (você define qual é a sua forma de pagamento combinada); Infração Contratual (o que ocorrerá caso as partes falhem em cumprir o combinado); Prazo e Entrega; Condições Subsidiárias (condições que você julga importantes serem lembradas); Direito de Uso (em quais mídias o material poderá ser veiculado e durante quanto tempo); Foro (em qual fórum um possível caso poderá ser resolvido) e Aceitação (assinatura); Algumas cláusulas variam de empresa para empresa.

Uma dica: o ICONIC está abrindo novas vagas para o curso e no pacote ICONIC PRO você terá, em um dos módulos da ICONIC Academy, aulas explicativas com modelos de contrato e todas as questões legais.

Como você aprendeu tanto sobre ilustração/desenho? Fez alguma faculdade, curso ou aprendeu sozinha? 

Começando pela segunda pergunta, nunca fiz faculdade na área da arte. Sou formada em Pedagogia, que é uma ciência que não tem absolutamente nenhuma ligação com desenho ou coisas do gênero hehe. Sempre fui muito curiosa e, graças ao bom Google, me tornei uma profissional em investigação criminal, mentira! :P Então, o Google foi e é uma ferramenta essencial para mim. Foi através dele que aprendi fazer qualquer coisa que faço hoje. Tive acesso à internet muito tarde, em comparação com as pessoas de hoje que já nascem tendo uma conta no Facebook, por exemplo. Comecei a me alfabetizar digitalmente em 2010/2011, e nessa época, painho comparava CD-ROM de como usar o Photoshop 2 (nem existia CC!), de como criar planilhas e etc. Então eu precisei ter paciência para aprender tudo. Lembro que eu tinha um caderno para fazer anotações de atalhos do Photoshop e Illustrator, anotava passo-a-passo das coisas que eu fazia - para não correr o risco de esquecer, de como consegui resolver um problema com alguma função ou ferramenta... Eu registrava tudo que aprendia. E também fui mexendo nas coisas para ver o que elas "faziam" hehe. Daí vieram os vídeos do YouTube, os blogs, as trocas de informações com os amigos, e por aí vai.

Em 2015, conheci a ICONIC e há dois anos atrás adentrei na ICONIC Academy, o que só vem agregando tanto nos meus estudos como no meu desenvolvimento profissional. Inclusive, eles estão lançando um novo curso em breve e também uma nova conferência. Inclusive, o congresso 2018 está chegando, viu?! Clique aqui para garantir vaga, o evento é online e gratuito. Ah, está rolando palestras 100% gratuitas de 03 até 06/04. Clique aqui para ver o cronograma do evento.

Como você aprendeu a fazer desenho digital? Parece que é um bicho de sete cabeças.

Aprendi fuçando o Photoshop e o Illustrator, na marra. Fazia tudo no mouse, era bem tenso! Comecei a produzir conteúdo para algumas pessoas e com o dinheiro que recebia, juntei e comprei minha primeira Wacom Bamboo, bem simples. Fiz do Google meu aliado e seguimos nos amando até hoje. E uma coisa que gosto de fazer quando estou estudando pintura digital é tentar "desmontar" o objeto com meu olhar. Não sei se vai dar para entender o que estou querendo dizer, mas é basicamente você enxergar algo e tentar separar tudo - mentalmente - em camadas. É como pegar um quebra-cabeça, embaralhar todas as peças e tentar bolar um plano para montá-lo de uma forma mais intuitiva.

Parece mesmo um bicho de sete cabeças quando a gente só olha a peça pronta sem enxergar como o artista resolveu a questão, sabe?! A gente precisa treinar os olhos para eles serem peritos. Existem várias formas de estudar desenho digital, e uma das mais eficiente para mim é "investigar" uma imagem pronta. Tente pegar uma peça e, mentalmente, comece a desenhá-la do zero.

Bom, é isso. Um muito obrigada para as meninas que enviaram as perguntas. São elas: @_littledipper, @leticiasantos.___, @bellaoggioni, @andreasoares_dea, @joannezaelman, @lila_silvarts, @florai_sm, @analoewen.creative, @raquelfdsilva e @yudrayeb. Este post está pronto há um tempinho e depois que eu o escrevi, outras pessoas enviaram mais perguntas que serão respondidas num próximo Q&A, tá bom?! ;-)

Nenhum comentário

Postar um comentário

© Temporada das Flores • Theme by Maira G.