8/27/2016

UMA FLOR


Qual a sua herança para o mundo? O que você fez hoje poderá deixar, amanhã, a vida de alguém plena? Lá na frente, as pessoas lembrarão das suas atitudes como arredias, mesquinhas, corajosas ou verdadeiras? Ninguém é perfeito, paciência. Estamos desbravando novos horizontes, gostando e desgostando de coisas, caindo e levantando, o tempo todo. É um ciclo. Subir e descer escadas freneticamente ou ir em um brinquedo maluco dos parques de diversões. O negócio é que ser quem a gente é de verdade não é nada fácil e só de pensar em deixar um legado para o mundo, as pernas tremem. 

Eu não sei você, mas constantemente tenho lido, no feed do Facebook, sobre regras que a gente precisa (?) seguir para não ser mal visto pelos outros, principalmente quando o assunto é postar ou não algo na Internet. É como se as pessoas criassem mandamentos, com base na suas próprias vivências, e acreditassem piamente que todo e qualquer sujeito tenha a obrigação de se submeter a eles, caso contrário, ele não se encaixa e, consequentemente, vem a ser um marginal (fora da margem). 

"Não faça assim", "modere naquilo", "olhe, não pense desta maneira," "você é um ridículo por gostar disso", "ei, você não pensa em postar isso, né?!" [...]. Carambolas! Viver assim é chato demais, desculpa a minha franqueza. O direito da gente voa para o Saara quando outra pessoa tenta empurrá-lo com o nariz e impor seus gostos e vontades pessoais sobre quem não pediu para segui-los.

Lembra do rei que vestia púrpura e arminho e ousou chamar o Pequeno Príncipe de seu súdito? 

"- Ah! Eis um súdito, exclamou o rei ao dar com o principezinho.
E o principezinho perguntou a si mesmo:
- Como pode ele reconhecer-me, se jamais me viu?
Ele não sabia que, para os reis, o mundo é muito simplificado. Todos os homens são súditos."

 É, há muitos reis por aí acreditando que somos seus súditos... Pois sinto em dizer: não somos, não.

Ser quem a gente é já não é tarefa fácil. Dói, engolimos um monte de sapos, engasgamos e pomos tudo para fora em uma abaixada só. Se evitar é pior. Se deixarmos de ser quem somos, uma hora ou outra, vamos explodir e não vai sobrar um pedaço sequer para contar história. Não que tenhamos que seguir exclusivamente a nossa filosofia de vida. O negócio é viver sendo quem somos e respeitando, tolerando, quem é diferente da gente. Não despejar nossos gostos na cabeça do outro, segurá-lo nos ombros, dar um forte chacoalho e gritar lentamente: NÃO FAÇA ASSIM... Ninguém é dono de ninguém. A vida é dura e o caminho é íngreme. Tentar fazer com que os outros engulam nossas verdades é, no fundo no fundo, um tanto quanto triste.

Se a sua herança para o mundo for uma flor, por favor, pode os espinhos. Talvez quem a pegar com as duas mãos, já carregue nelas calos que a vida deixou. Se você, hoje, tem algo bonito para ensinar para alguém, ensine baixinho, com carinho e amor, sem pressa, com tranquilidade. Existem muitas maneiras para transmitir uma mensagem, escolha as palavras corretas, sem ser arrogante. Às vezes, querendo ajudar, a gente acaba tirando a voz do outro e, ao invés de oferecer uma rosa, oferecemos folhas secas. 

Talvez, um coração acanhado de tanto apanhar da vida tenha algo para aprender comigo e com você. Tenhamos tato. Há uma linha tênue entre empatia e simpatia. Empatia não é tirar a voz do outro para colocar a nossa em destaque. 


Minha herança: uma flor
(Vanessa da Matta)

"Achei você no meu jardim entristecido
Coração partido
Bichinho arredio
Peguei você pra mim
Como a um bandido
Cheio de vícios
E fiz assim, fiz assim:

Reguei com tanta paciência
Podei as dores, as mágoas, doenças
Que nem as folhas secas vão embora
Eu trabalhei

Fiz tudo, todo o meu destino
Eu dividi, ensinei de pouquinho
Gostar de si, ter esperança e persistência sempre

A minha herança pra você é uma flor
Um sino, uma canção, um sonho
Nenhuma arma ou uma pedra eu deixarei 

A minha herança pra você é o amor
Capaz de fazê-lo tranquilo, pleno
Reconhecendo no mundo o que há em si

E hoje nos lembramos sem nenhuma tristeza
Dos foras que a vida nos deu
Ela com certeza
Estava juntando você e eu

Achei você no meu jardim"



Malena Flores

Nenhum comentário

Postar um comentário

© Temporada das Flores
Maira Gall