4/30/2015

A CORRENTE DO BEM



Eu tenho uma conta no Facebook, Instagram, Twitter... Talvez você também possua, caso contrário, provavelmente já tenha ouvido falar. Infelizmente nem todos sabem a profundidade de uma rede-social, principalmente quando focamos nos dias em que estamos vivendo. Um perfil diz muito sobre quem somos, posso dizer que ele seja o nosso "cartão de visitas" em uma plataforma mundialmente acessível. Quando eu projetei a arte dos meus cartões pessoais, pensei em cada detalhe, fiz tudo com muito carinho. Imaginei como as pessoas iriam reagir quando o vissem e o sentissem em suas mãos. Eu indagava: "Será que elas iriam gostar e guardar com afeto ou quando chegassem em casa iriam deixar pegando poeira em uma mesa ou prateleira esquecida?" Me sentiria muito decepcionada se a segunda opção acontecesse (apesar de que não sei se já fizeram isso, mas prefiro pensar que não).

Qual é a mensagem e a imagem que as pessoas têm ao visitar o seu perfil? Será a de uma pessoa egoísta que grita por atenção ou de uma alguém que compartilha bons valores e positividade? Sim, eu sei que o perfil é seu e que ninguém tem o direito de opinar nos seus gostos e no que você posta. Somos "plural", cada um tem uma opinião diferente. Sei que muitos não irão concordar comigo, respeito toda singularidade. Mas vem aqui, vamos conversar mais um pouquinho!

Não sei quando começamos a nos "perder" e precisamos, de fato, repensar em certas coisas. Como cristãos, estamos demonstrando a nossa fé através das atitudes ou apenas por palavras? As redes-sociais são ferramentas destinadas para determinadas funções. Ninguém investe tempo criando algo em vão ou sem um foco. Há o lado bom e o lado ruim e é neste ponto que nós entramos. Estamos contribuindo para o avanço de qual direção? Temo a resposta, mas não ficarei cega e muda diante do que tenho visto diariamente.

A nossa vida cristã não deve e nem pode ser como os dos grandes líderes das sinagogas que faziam de tudo para chamar atenção alheia, mas no seu íntimo havia apenas lamaçal e um vazio sem fim. Proclamar da boca para fora o que não vivemos é tolice. Precisamos ver onde estamos errando e reparar esses erros. Sinto que há uma bagunça muito grande que está sufocando muita gente e isso não faz bem para a saúde física, emocional e sobretudo espiritual. 

Estamos construindo altares pessoais e fingindo ser o que na prática não estamos sendo. Estamos vivendo uma vida de engano onde mentimos para nós mesmos. Há um ódio gratuito muito grande por quem nem conhecemos. Diariamente vejo pessoas deixando comentários desprezíveis e insultos em fotos de quem nem conhecem pessoalmente. Sentem prazer em diminuir pessoas das quais sabem-se apenas o que elas permitem informar. Criam uma fantasia em suas cabeças e começam apedrejar - sem razão alguma - uns aos outros. Sentem-se incomodadas se fulana engordou alguns quilos ou se beltrano está postando fotos no mesmo estilo sequencialmente. Fazem piadinhas com assuntos sérios e passam a mão sobre erros gigantescos. Cadê o amor? E o bom senso?

Uma pausa, respiremos bem fundo. Você reflete o que é, afinal, "a boca fala do que está cheio o coração". (Mateus 12:34). Precisamos sacudir a poeira, limpar o que está sujo e repensar no que estamos fazendo. Vivendo tempos difíceis de lidar, não queira ser mais um na multidão dos que não oferecem coisas boas. Seja alguém que prega o que vive e que vive o que prega. Reveja se o seu "cartão de visitas" está agradável e qual mensagem ele está transmitindo. Não queira que alguém o esqueça em qualquer lugar por aí. Deixe boas marcas de valor. Deseje ser lembrado por viver na integridade, ser alguém sábio e, que acima de tudo, não envergonha a Deus quando professa a sua fé. Somos pecadores, eu sei, mas necessitamos buscar a santidade. (Efésios 5:1 e 1 Pedro 1:16) Ofereça, através das suas redes sociais, o melhor que você tem. Cultive boas amizades e não foque muito na popularidade. Toda essa glória é efêmera, tem data de validade. Os bons valores nunca morrem. (Mateus 8:34-38)

Pergunte-se no final do dia: será que transformei, de alguma forma positiva, o dia de alguém? Por mais que seja através de um post curto (um vídeo, música ou versículo compartilhado), alguém pode ser tocado. Você acredita nisso? Faça parte de uma corrente do bem e não de uma corrente em que os elos se desfazem pouco a pouco. Use as ferramentas que você tem em mãos para oferecer coisas úteis. Transmita bons sentimentos para quem está do outro lado da telinha (e super vale na vida real também). O mundo já está cheio de negatividade e tudo aquilo que em nada nos acrescenta. Sejamos sábios.

Todas as coisas dependem da forma que as usamos. O segredo é: árvore boa não dá frutos ruins. (Mateus 7:15-20)


Nenhum comentário

Postar um comentário

© Temporada das Flores
Maira Gall