3/01/2015

MARCAS



Marcas. Uma flor, como muitas outras flores, foi arrancada de onde estava enraizada e poderia ser pisoteada como tantas já foram. Abri uma página aleatória do meu caderno de poesias, apanhei a flor e a guardei ali, entre duas páginas em branco. Meses depois, após recordar do que havia feito, abri o caderno e ela estava ali, em silêncio fez marcas.

Hoje, olho para trás e faço um comparativo silencioso: muitos homens e mulheres do passado não tiveram a mesma qualidade de vida que temos e desfrutamos no presente. Um grande número de pescadores simples que sustentavam a casa com o que o mar oferecia, deixaram tudo para seguir Cristo. E dentro desse tudo cabe muitas coisas: alimentação na hora certa, cama para descansar, teto para proteger da chuva, roupas e sandálias limpas, pai, mãe, esposa, esposo, filhos... 

"Não tiveram vida boa, mas trocaram por melhor: andaram perto do Senhor, viram milagres de amor, deixaram marcas..."

Vivemos uma falsa vida de liberdade. Dizemos que estamos perto do Senhor, quando, na realidade, estamos longe. Milhas e milhas de distância... Muitos gritam o que querem receber e exigem de Deus no modo imperativo. Propagam um "evangelho" pobre e fraco baseado em promessas de casamentos firmes, famílias sem problemas, carro(s) na garagem, poupança farta no banco e nada de miséria. Prosperidade. Estão mais interessados no deus que dá e esquecem do Deus que disse: "a Minha Graça te basta". (2 Coríntios 12:9) Ao contrário dos primeiros discípulos, eles não silenciam o seu "eu".

Note que Jesus quando reuniu os apóstolos não escolheu os melhores, os mais vistos daquela região, porém, Ele convocou homens simples e de corações puros. Não eram artistas, não tinham muitas terras ou gado, eram "ninguém" para a sociedade. O Filho de Deus não exigiu nada das pessoas além de arrependimento e uma fé sólida no plano do Resgate divino. Cristo não chamou os doze para noticiar sucesso/bonança ou exigir algo em troca. Em Lucas 9:2, lemos: "Então os enviou para anunciarem o Reino de Deus e curarem os doentes." Ênfase na parte A do versículo: "Anunciarem o Reino de Deus". E continua no versículo 6... "Os discípulos então saíram de viagem e andaram por todos os povoados, anunciando o Evangelho e curando doentes por toda parte." 

"Não serve para ser Meu seguidor quem não estiver pronto para morrer como Eu vou morrer e Me acompanhar. Quem procura os seus próprios interesses nunca terá a vida verdadeira; mas quem esquece a si mesmo, porque é Meu seguidor, terá a vida verdadeira." Mateus 10:38 e 39, Nova Tradução na Linguagem de Hoje.

No versículo 30 de Mateus 10, Cristo não está Se referindo literalmente da morte sacrificial. Ele está apontando para a negação pessoal, a qual Ele renunciou a vida de glória que havia no Céu e desceu à Terra para fazer a vontade do Pai Celestial. Não pôs Seus interesses à frente do plano de Deus e não questionou, Ele negou a Si mesmo e cumpriu o que era necessário. Para seguir Jesus, devemos deixar para trás tudo o que nos prende. Amar mais a Ele que a nós mesmos e a nossa família. (Mateus 10:37) Ele não nos convoca para termos uma vida isenta de dificuldades, afinal, estamos num sistema que está debaixo da autoridade de Satanás, logo, não há como fugir das aflições. Porém, com Deus, recebemos forças e esperança que isso não será duradouro, pois em breve Ele estabelecerá o Seu Reino aqui e eliminará esta forma de governo suja e corrupta humana. O que há aqui é passageiro, não dura para sempre. Não fomos chamados para coisas pequenas, mas, a nossa riqueza está por vir e ela se resume em: salvação e vida eterna. 

Que venhamos voltar os nossos olhos para aqueles que iniciaram a Obra da anunciação do Evangelho puro e simples. Que calcemos as sandálias daqueles que levam as boas notícias. Que em nós haja a simplicidade no falar, pensar e agir. Deixemos de lado a busca própria de elogios e esqueçamos o nosso ego pendurado no gancho do banheiro.  Afinal, qual Messias estamos seguindo?

"Quero pisar sobre estas marcas de valor, pagar o preço de alguém que se dispôs também a atender a mesma voz que hoje chama e diz: 'Segue-Me!' E não importa o que eu tenha que deixar, quero levar comigo minha tão pequena fé pra repartir por onde Deus me permitir andar, Seu amor..."

Como a flor que marcou páginas em branco do meu caderno, assim sejamos. Que venhamos deixar as marcas do amor e do Evangelho autêntico nos corações de quem nos receber. Tomemos a nossa cruz e sigamos. E, talvez, algum dia você se pergunte: quais marcas estou deixando ou deixei por aí?


Nenhum comentário

Postar um comentário

© Temporada das Flores
Maira Gall