3/05/2015

ENTRE OBRAS, TEMPO E ESPERA

 

"Como pode um pintor ser refém de sua própria obra? Ou quem sabe, um escritor,  prisioneiro em sua história?"

É engraçado, sabe? Faço tantos desenhos e tantas outras coisas que acabam alçando voo e distanciando-se de mim para ganhar um novo lar, um ninho... É como um pedaço da gente que significa, e significa bastante, pois foi criado com tanto carinho e amor. Não estou sendo exagerada em afirmar que, de alguma forma, temos uma ligação sentimental com tudo aquilo que "pomos a mão" e dedicamos o nosso tempo e melhor.

De certo, não posso comprar as ilustrações que faço ou qualquer outra coisa com as obras de um Criador absoluto e ilimitado. Incrível imaginar que, o mesmo que criou a galáxia, trilhões de estrelas, o fundo do mar e sabe a quantidade exata dos grãos de areia existente da face terrestre, possui um amor imensurável pela criação que era perfeita, mas manchou-se no lamaçal do pecado: nós, pequenos e limitados humanos. Somos todo o oposto dEle e, ainda assim, Ele tem apreço por nós. 



Talvez, podemos nos comparar com uma formosa obra de arte que, acidentalmente, foi manchada por tinta negra. Alguém valorizaria ou veria algo de belo por trás do borrão que cobriu o que era sublime? Não. Dificilmente um artista manteria uma tela nesse estado em seu atelier, entre as outras em branco. Seria mais coerente, ao nosso ver, se desfazer da manchada e criar uma outra. (Romanos 5:7) Você concorda com essa linha de raciocínio? Somos tão delimitados que seria absurdo imaginar que um artista veria graça em algo sem beleza alguma. 

Eu, particularmente, quando sinto que meus desenhos não estão ficando como o esperado, amasso a folha e aponto em direção à lixeira. Mas Deus não é assim. Ele não Se desfaz de algo só porque não possui a mesma grandeza que Ele. Ele vê encanto na essência, no que mais importa, e faz de tudo o que Lhe é possível e impossível para remover toda e qualquer impureza que se alojou em Sua obra. Teria todos os motivos para desistir de mim e de você, porque erramos dia após dia e minuto após minuto...

"Quando tempo eu perdi sem Te buscar? Quanta espera o tempo já Te fez passar? Não sei como o Inventor do tempo esperou pelo meu amor. Não sei como o Dono do Universo teve que pedir a minha mão..."

E quantas vezes dentro das nossas falhas e limitações vamos adiando o nosso encontro com Ele, o momento para conhecer mais e mais. Aí a gente adia muito o tempo para ficar pertinho de Deus, sentir o coração dEle e silenciar a nossa voz, deixar apenas a sonoridade do respirar no ar. E isso se dá porque o conforto do nosso palco faz com que demoremos mais um pouquinho e a hora passa e nem conseguimos notar. Mas dá tempo para buscar o afago do Criador, só não dá para demorar mais e deixar para amanhã. Ele esperou muito, amou e ainda ama. Incrível é imaginar o Dono do tempo esperando pela gente.

"...Seu amor está além do tempo. Limitado Se fez, vê a minha angústia e o meu olhar espera. Uma vida é o tempo pra Te esperar, quanto tempo espera pra me encontrar?"

Amor que renunciou a vida perfeita para sentir o que eu e você sentimos, para chorar o nosso choro e rir o nossos riso. Morrer a morte que merecíamos, ser insultado com as palavras que deveriam ser para nós e levar sobre Si o peso que era meu e seu. A Obra Perfeita foi manchada de sangue imundo para nos mostrar o que o amor significa, nos dar uma nova chance acompanhada da esperança e da perfeição na eternidade. (Isaías 53) E só de pensar que deixamos Ele esperando tanto... Justo Ele, que fez tudo pela gente. 

"Que bom que foi assim, que bom que me esperou, tão bom Tu És pra mim."



Nenhum comentário

Postar um comentário

© Temporada das Flores
Maira Gall