1/27/2015

O SAL DA VIDA


"O sal da vida. O que faz a vida... Valer a pena!" Esse é o destaque escrito na capa de um best-seller que recebi de presente da Anna Carolina Schermak, uma moça que fala italiano, mora em Curitiba e é minha amiga. O livro foi escrito pela maior antropóloga do mundo: Françoise Héritier. Além desse consagrado posto, ela é professora honorária do Collège de France e etnóloga. Não poderia ser melhor!


"O sal da vida", esse é o título da obra. Citando Laure Adler: "Um delicioso inventário de percepções, sensações, sentimentos discorridos com extrema beleza e sensibilidade que nos motivam, literalmente, a existir... Que maravilha!" Um livro poético, uma lista de "diminutas epifanias" que nos definem, que nos traduzem. 

Nossos dias são tão corridos que mal conseguimos tirar uma férias do mundo, da bolha que nos cerca. Estamos esquecendo das pequenas coisas que nos trazem prazer, momentos de alegria e sentimentos de realizações. Não estou falando da euforia do luxo de se ter um carro na garagem ou na viagem à Disney. Mas ao efêmero, o sal da vida. 

Françoise, em 13 de Agosto, listou: "No entanto, trata-se de coisas seríssimas é demasiado necessárias para conservar o 'gosto', o 'sabor' da vida: refiro-me aos frêmitos íntimos que os pequenos prazeres provocam, às interrogadores e mesmo às recepções, se as deixamos acontecer. [...] O cheiro de croissant quentinho recém saído do forno, trocar piscadelas de cumplicidade, o momento em que tudo fica quieto na natureza..., ouvir a gritaria alegre das crianças no recreio, entupir-se de sorvete de chocolate... Ainda esqueci muitas e muitas coisas."

Há tanto sal nessa vida que o nosso sal não pode perder o sabor. (Mateus 5:13-16) Se nós não construíssemos tantos degraus de pedras em nossos minutos fazendo as coisas mais "bobas" do dia-a-dia, daríamos vais valor ao presente que é viver. Apesar das dificuldades que há aqui e que foi causada, não há razão para pensar que não vale a pena. Você consegue se imaginar não fazendo as coisas que mais gosta? Como por exemplo, talvez você sinta-se sereno admirando um pôr do sol ou as estrelas à noite, comendo o miolo do pão quentinho e lambendo o palito do picolé. Você consegue se imaginar longe de quem te ama? É possível visualizar a sua vida sem Jesus? Tudo o que te faz bem te torna a ser quem és. 


Temos sal em nossa vida, somos sal para outras vidas. Para alguém, somos fresta de luz do telhado, a carta que não diz nada sobre nós, o sal que trás o sabor. Não estamos aqui por caso, há um propósito, algo a mais. Se na singeleza e simplicidade dos pequenos momentos conseguimos absorver o que é bom, quanto mais conseguirão extrair de nós no reflexo do espelho da vida? 

Jesus não nos quer insossos e sem utilidade, Ele deseja que sejamos o toque especial da receita, o segredo do chefe, a especiaria. Há valor nos sentimentos, em nós e nos frutos do nosso trabalho. É um ciclo. Não permita que o calor das lutas o faça desistir de ser quem você é e o que foi chamado para ser. Esforce-se mais um pouquinho, há alguém precisando da sua mão amiga, do seu tempo e desejando do experimentar o mais valioso dos sais da vida: o amor de Jeová Deus através de Jesus Cristo. Ah, esse sal...

O que te dá prazer? Como você pode agir para ser o sal na vida de alguém e, assim, agradar Deus? 

A Anna, o meu muito obrigada, o livro é de um valor absurdo, assim como o seu respirar. A quem desejar mais informações sobre "O sal da vida" basta clicar aqui.

Nenhum comentário

Postar um comentário

© Temporada das Flores
Maira Gall