1/09/2015

ABELHA FAZENDO MEL



Dia desses, desci até o "famoso" campo que tem no fim da rua da minha mãe. Lá é tão tranquilo e longe do barulho da cidade que consegui ouvir até a sinfonia de vários animais. De tudo o que vi e esperei para ver, as abelhas que estavam se alimentando com o doce néctar e pólen foram a causa do bom tempo que passei ali. Toda aquela contribuição mútua entre flores e pequenos insetos para a polonização me fez refletir em alguns aspectos do projeto da natureza.

Pólens. Algumas plantas que são polinizadas por pequenos mamíferos, insetos e pássaros empregam espinhos, gavinhas e filamentos pegajosos para ganhar de pólen essas plantinhas. Apesar de pequeno, a parte externa do pólen é rígida e resistente a fortes ácidos e ao calor. Com algumas exceções, o pólen é viável durante alguns dias ou semanas, ao passo que os envoltórios mais resistentes conseguem durar até milhões de anos sem se decompor. Muitos cientistas adquirem conhecimentos sobre algumas plantas estudando apenas o pólen retirado de algumas amostras de solos retiradas de profundezas. 

Em uma área com uma variedade muito grande de plantas, o ar torna-se um aperitivo de pólens. Muitas plantas seduzem os pequenos insetos para a polonização do invés de oferecem manjar doce. De fato, toda a complexidade das plantas e abelhas são admiráveis. 

Abelha fazendo mel. Talvez, nunca tenhamos notado os detalhes de toda labuta de uma pequena abelha e valorizado os seus grandiosos esforços. A abelha-europeia constrói com cera as paredes do favo de mel. Você já observou como eles são arquitetados? Há muito tempo atrás, grandes matemáticos afirmaram que a forma hexagonal era melhor que quadrados e triângulos equiláteros, porém, eles não sabiam explicar o motivo desta afirmação. O professor Thimas C. Gales, em 1999, provou matematicamente que hexágonos regulares são as melhores opções para dividir um espaço em partes iguais com a menor quantidade de sustentação estrutural. 

Por fazerem uso de células hexagonais, as abelhas conseguem fazer um bom uso disponível de espaço e produzem paredes firmes e leves de favo de mel com uma quantidade consideravelmente mínima de cera. Por isso, o favo de mel é considerado uma "obra-prima da arquitetura". 

Hoje, cientistas espelham-se no favo de mel para criarem estruturas resistentes e firmes com um aproveitamento de espaço mais considerável. Além disso, a engenharia aeronáutica também usa estruturas em forma de favo de mel para a construção de aviões leves e fortes, gastando uma quantidade menor de combustível. 

"Abelha fazendo mel vale o tempo que não voou..."

Acho que é a primeira vez que ilustro um post com muitas fotos minhas e confesso que estou muito animada e feliz por isso. Não sou nenhuma fotógrafa ou algo do gênero, então, aos profissionais, não me levem muito a sério. :)









"Tudo que move é sagrado e remove as montanhas com todo cuidado, meu amor..." Nos pequenos detalhes encontramos o extraordinário de Deus. Faz sentido acreditar que todas essas coisas são resultado da evolução ou que teve um projeto?

Considere: Gênesis 1:11 e 12; Salmos 19:1; Jeremias 27:5 e João 1:3.


Citações: "Amor de Índio" (Beto Guedes)

Nenhum comentário

Postar um comentário

© Temporada das Flores
Maira Gall