8/02/2014

DEIXE IR

Estamos vivendo na era do fest-food, e-mails e na "velocidade da luz". Tudo é para ontem, a nossa paciência é curta e nos ofendemos por pequenas coisas irrelevantes. Ontem, antes de dormir, sentei na minha cama e li o texto diário. A mensagem era justamente sobre dois fatores importantes e escassos: calma e serenidade. 

"Não te precipites no teu espírito em ficar ofendido, pois ficar ofendido é o que descansa no seio dos estúpidos." — Eclesiastes 7:9.

"Existem muitas situações na vida que provocam reações negativas. Suponha, por exemplo, que você está dirigindo e outro carro quase bate no seu. Como reagirá? Você já leu a respeito de casos de fúria no trânsito, em que alguém fica tão bravo que agride o outro motorista. Mas, como cristão, você com certeza não deseja fazer algo desse tipo. Seria melhor dar um tempo para analisar a situação. Talvez você tenha alguma culpa no acontecido por ter sido um tanto distraído. Ou o outro motorista pode ter tido um problema mecânico no carro dele. Desse exemplo podemos aprender que é possível diminuir a raiva, o desapontamento e outras emoções negativas se tivermos compreensão, mente aberta e disposição de perdoar. Não leve para o lado pessoal. Muitas vezes o que parece ser uma ofensa pessoal intencional não é nada disso, é apenas fruto da imperfeição ou um mal-entendido. Tente manter a mente aberta no que diz respeito a atos ou palavras que pareçam rudes e esteja disposto a perdoar por amor. Se você conseguir fazer isso, será mais feliz. — Leia 1 Pedro 4:8."

Por vezes, agimos estupidamente com coisas que  poderíamos descartar e jogar o filtro no lixo (como fazemos com o café). Assim, agiríamos como pessoas maduras, principalmente na fé, dominando as nossas emoções. Nunca devemos nos esquecer que em nosso lugar Jesus manteria a postura e agiria de forma totalmente oposta a nossa, como fez inúmeras vezes. Gálatas 5, a partir do versículo 16, nos diz: "Mas o Espírito de Deus produz o amor, a alegria, a paz, a paciência, a delicadeza, a bondade, a fidelidade, a humildade e o domínio próprio. E contra essas coisas não existe lei. Que o Espírito de Deus, que nos deu a vida, controle também a nossa vida! Nós não devemos ser orgulhosos, nem provocar ninguém, nem ter inveja uns dos outros." Deus não costuma ficar ofendido conosco quando agimos de forma tola. Pelo contrário, Ele mantêm-Se sereno e tranquilo. Ele sabe das nossas falhas e fraquezas e, ainda assim, nos ama, pois Ele é compreensivo e está acima de quaisquer sentimentos.

“SENHOR, SENHOR, Deus compassivo e misericordioso, paciente, cheio de amor e de fidelidade, que mantém o Seu amor a milhares e perdoa a maldade, a rebelião e o pecado." Exôdo 34:6 e 7 (na íntegra), Nova Versão Internacional.



Um dia, sabiamente Cora Coralina (uma das minhas escritoras favoritas) escreveu: "Fechei os olhos e pedi um favor ao vento: Leve tudo que for desnecessário. Ando cansado de bagagens pesadas. Daqui para frente apenas o que couber no bolso e no coração."

Existem sentimentos que pesam e nos fazem mal, devemos deixá-los ir embora, alçar voo para algum lugar distante. É tão aliviador retirar uma mochila pesada das costas, não é? É como respirar fundo e soltar o ar aos pouquinhos. E é assim que necessitamos ser: leves feito pétalas, nuvens branquinhas e algodão doce. Sozinhos, nada poderemos fazer, mas com a ajuda dEle, conseguiremos viver pelo Espírito, não pela (imperfeita) natureza humana. Às vezes, é legal rever o que está atrapalhando a nossa caminhada. Faz parte do roteiro encontrar pedrinhas, mas é você quem decide o deve fazer com elas: colocá-las na mochila ou arremessá-las bem distante.

Nenhum comentário

Postar um comentário

© Temporada das Flores
Maira Gall