2/26/2012

EIS-ME AQUI!


 

Olá amigos! Hoje é o dia da TagMídiaTeca e como sabemos, damos dicas a vocês de hinos marcantes, excelentes vozes, filmes [...]. E eis que hoje iremos apresenta-lhes um exemplo nobre, o profeta Isaías (confiram tudo em seu Próprio Livro na Bíblia). Aqui é apenas uma respalda de tudo o que ele foi e o seu exemplo  para nós, nos dias de hoje.


ISAÍAS era um sangue-azul entre os profetas. O seu hebraico era clássico. O seu estilo era nobre. Ele tinha amigos influentes. Mas a sua mensagem era sempre a mesma.
Ao longo do reinado de quatro reis, proclamou uma única mensagem: Deus nunca irá tolerar o que é errado.
Falava com uma coragem na voz, e com um fogo nos olhos, como alguém que já esteve no inferno e contemplou o céu, pois foi isso, exatamente o que aconteceu. Isaías viu a glória de Deus.
As luzes dançavam e os anjos ecoavam – “Santo, Santo, Santo, Santo”, como se nada mais tivessem a dizer, e não tinham – pois isso é tudo que se consegue dizer diante dAquele que é Santo.
Existem aqueles que se vangloriam de ter uma visão de Deus, do mesmo modo que se alegram de ter visto o presidente da Republica. Não foi assim com Isaias. Quando viu o Senhor, não atualizou o seu currículo, mas implorou por misericórdia.
“ai de mim, que vou perecendo! Porque sou um homem de lábios impuros, e habito no meio de homens de impuros lábios; e os meus olhos viram o rei, o Senhor dos Exércitos” (Is 6.5)
A misericórdia foi recebida assim que foi pedida. Um anjo purificou seus lábios, e ensinou que a única boca digna de falar o nome de Deus é aquela que é purificada pelo Senhor.
Isaías nunca mais foi o mesmo depois daquele episódio. ENVIA-ME A MIM, ofereceu-se, e assim Deus o fez. E o profeta anunciou. Pregando com paixão e a fúria de um homem que tinha visto a sua vida passar diante de seus olhos.
Porque isso foi o que aconteceu. Transmitia a mensagem com a paixão e a fúria de um homem enviado por Deus. Porque ele o foi.
E pregava com paixão e fúria de um homem que ansiava por unir-se aos anjos, e passar a eternidade cantando: “Santo, Santo, Santo, Santo”.
Alguma coisa me diz que ele ainda faz isso agora mesmo.


Li esse texto no Você e Deus  e pedi autorização à Suzanne para podermos postar aqui no TF. 
E o mesmo pertence e é da autoria da Nadiely e da Suzanne
(Tumblr delas aqui: Nadiely e Suzanne)

Nenhum comentário

Postar um comentário

© Temporada das Flores
Maira Gall