1/28/2012

AMPARA-ME (PÃO DIÁRIO)


LEITURA BÍBLICA: Deuteronômio 31.1-8


1 Neste livro estão os discursos que Moisés fez ao povo de Israel no deserto que fica a leste do rio Jordão. Os israelitas estavam no vale do rio Jordão, perto da cidade de Sufe. De um lado ficava a cidade de Parã, e do outro, as cidades de Tofel, Labã, Hazerote e Di-Zaabe. 2 (Do monte Sinai até a cidade de Cades-Barneia são onze dias de viagem, pelo caminho que atravessa a região montanhosa de Edom.)
3 Já fazia quarenta anos que o povo de Israel tinha saído do Egito, e no primeiro dia do décimo primeiro mês Moisés disse ao povo tudo o que o Senhor Deus havia mandado que ele falasse. 4 Isso aconteceu depois que Moisés derrotou Seom, o rei dos amorreus, que morava na cidade de Hesbom, e Ogue, rei de Basã, que morava em Astarote e em Edrei.t 5 Quando os israelitas estavam no território de Moabe, no lado leste do rio Jordão, Moisés começou a explicar ao povo a *lei de Deus. Moisés disse:
6 — Quando estávamos ao pé do monte Sinai, o Senhor, nosso Deus, nos falou assim: “Vocês já ficaram bastante tempo neste lugar. 7 Agora saiam daqui e vão caminhando na direção da região montanhosa dos amorreus e de todas as regiões vizinhas no vale do rio Jordão, e na direção das montanhas, da planície de Judá, da região sul e da costa do mar Mediterrâneo. Tomem posse de toda a terra de Canaã até os montes Líbanos, no Norte, e até o grande rio Eufrates, no Leste. 8 Aí está a terra que eu estou dando a vocês. Eu, o Senhor, jurei a Abraão, a Isaque e a Jacó, os antepassados de vocês, que daria essa terra a eles e aos seus descendentes. Portanto, vão e tomem posse dela.”



(Bíblia Sagrada – Nova Tradução na Linguagem de Hoje)


Num determinado dia, Moisés foi chamado pelo Senhor Deus para liderar os hebreus, seu povo, quando saíssem do Egito, onde viviam escravizados, a fim de conduzi-los à terra que ele mesmo, Deus, designara para habitação perpétua deles. Todavia, Moisés mostrou insegurança, receio mesmo, julgando-se incapaz de enfrentar o faraó (o rei do Egito) para esse fim - e, de fato, sua tarefa foi bem árdua. Ele tinha problemas com a fala, mas o Senhor o orientou a procurar duplo amparo e auxílio: primeiro de Deus mesmo, que o orientaria, e também de seu irmão Arão, que era bem fluente verbalmente e falaria com ele, conforme ocorreu nos primeiros encontros com o faraó. Isso foi no início, mas depois ele se desincumbiu da tarefa contando apenas com a direção e o amparo de Deus, que lhe transmitia as palavras, além de lhe dar poderes especiais, o que era suficiente. Por não desamparar e nem deixar Moisés sozinho, Deus fez crescer nele essa convicção de que o nosso Pai Celeste não nos abandona nuca. Com a morte de Moisés, Deus repetiu a mesma promessa ao seu sucessor, Josué e, de fato, não o deixou e nem o desamparou quando agora teve de liderar o povo na conquista da terra prometida. A garantia de Deus de não nos desamparar e nem nos deixar é tão forte, tão importante, e nos dá tanta segurança, que foi novamente lembrada no Novo Testamento (Hb 13.5). Como Moisés e depois Josué, precisamos pedir a Deus, e tão somente a ele, que nos dirija, oriente e ampara sempre. Assim ele poderá realizar a sua vontade por meio da nossa vida e do que fizermos, para que todo este mundo venha a conhecer o seu amor e tenha oportunidade de reconciliar-se com ele.

"Nunca o deixarei, nunca o abandonarei." (Js 1.5)


(Pão Diário – Texto de ETA - Janeiro | 15 | Dezembro - RTM)






Nenhum comentário

Postar um comentário

© Temporada das Flores
Maira Gall